Rio de Janeiro, sábado, 18 de novembro de 2017 - 13h44min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Futebol » Títulos
 
CAMPEÃO DO TORNEIO INÍCIO 1950
OS CAMPEÕES – Eis o team do Bangu, que depois de uma luta tremenda com o Vasco da Gama – que só foi vencido na prorrogação por 1 x 0 – conquistou o título de campeão do Torneio Início da Federação Metropolitana de Football

O primeiro clube a ser campeão no gramado do Maracanã

Engana-se quem pensava que o entusiasmo do carioca com o futebol tivesse ido por água abaixo após a derrota na final de 1950 para o Uruguai.

Apenas duas semanas após aquele trágico dia 16 de julho, quando a seleção brasileira deixou escapar o título mundial em pleno Maracanã, mais de 46 mil pessoas voltaram ao “Estádio Municipal” – como era chamado na época – para prestigiar o Torneio Início, uma tradição no futebol carioca.

Ao todo, 12 times disputariam, desde o meio-dia, partidas curtas de 20 minutos, para saber qual equipe estaria melhor preparada nesse início de temporada. Em caso de empate, decisão por pênaltis. A final, uma exceção à regra dos 20 minutos, durava 40 minutos e se houvesse necessidade, ocorreria uma prorrogação. Ou seja, quando o campeão fosse conhecido, a noite já estaria caindo sob o Rio de Janeiro.

“Constituiu um verdadeiro sucesso a disputa do Torneio Initium, realizado no Estádio Municipal. Sem desmerecer todos quantos tem sido realizados até agora, não se pode negar que o grande certame de anteontem, destacou-se pelo brilho de sua disputa e pelo entusiasmo que despertou, proporcionando um verdadeiro recorde de assistência e consequentemente, de arrecadação” – destacou o Jornal do Brasil.

Havia uma explicação para tanto entusiasmo. O campeão do Torneio Início de 1950 ficaria eternamente conhecido como o primeiro clube a erguer uma taça no Maracanã.

O Bangu teve que chegar cedo. Iria fazer a primeira partida, logo ao meio-dia, contra o Canto do Rio. Depois dos 20 minutos regulamentares, empate em 0 a 0. Os pênaltis decidiram a sorte a favor dos “Milionários” de Moça Bonita: 2 a 1.

A disputa de pênaltis, na época, também eram um pouco diferente. Cada time tinha direito a três cobranças, batidas todas de uma vez, pelo mesmo jogador. Assim, Edésio fez apenas um para o time de Niterói, enquanto o zagueiro Sula, comodamente, converteu dois para o Bangu.

Nas quartas-de-final, o time treinado por Aymoré Moreira teve um jogo duríssimo contra o Botafogo. Zizinho, cobrando falta, fez o seu primeiro gol com a camisa do Bangu. Nos 10 minutos derradeiros, Braguinha empatou e a decisão também foi para os pênaltis.

Sula, competentíssimo, acertou as três cobranças. Braguinha fez só duas. O Bangu estava classificado para as semifinais.

No duelo mais fácil, Ismael logo fez 1 a 0 para os banguenses sobre o Olaria e o time garantiu a vantagem mínima até o final dos 20 minutos. 

A decisão contra o Vasco – que eliminara o Madureira e o Flamengo – foi uma partida épica. Os 46 mil presentes ao Maracanã dificilmente esqueceram aqueles 60 minutos de futebol.

Logo aos 3 minutos de jogo, Ismael recebeu bom passe de Zizinho na entrada da grande área. Estava de costas para a meta, mas conseguiu virar e chutar, indo a bola no canto, à meia altura: Bangu 1 a 0.

Não houve tempo para comemorações. Aos 5 minutos, em um cruzamento rasteiro para a área, o zagueiro Sula – herói dos pênaltis – acabou pondo a bola contra suas próprias redes. Era o empate do Vasco.

O gol contra abateu o Bangu. Aos 8 minutos, em novo ataque vascaíno, outro gol. Ferrinho chutou forte e Luiz Borracha não teve como defender. Era a virada.

O torcedor nas arquibancadas começou a se acostumar com a ideia de que a cada ataque saía um gol. Por isso, não foi surpresa que, aos 11 minutos, Zizinho fizesse um belo gol de cabeça, encobrindo o goleiro Ernani: 2 a 2.

Depois disso, nos 29 minutos que faltavam até o final do jogo, os goleiros se redimiram. No início do 2º tempo, o árbitro expulsou o vascaíno Alfredo por reclamação e o Bangu dominou absoluto.

Foi inacreditável o azar que passou a perseguir os alvirrubros. Moacir Bueno chutou e a trave salvou o Vasco. Depois foi Zizinho, que também teve a chance de marcar, mas a bola acertou a trave. Por fim, Menezes que tirou do goleiro, mas viu a trave impedir o terceiro gol, que seria o do título.

Após 40 minutos de um futebol eletrizante, a final foi para a prorrogação de dois tempos de 10 minutos. Mudar de lado no gigantesco gramado do Maracanã fez o time exorcizar o fantasma das bolas na trave. Logo aos 4 minutos, Menezes recebeu um passe de Zizinho e chutou com raiva. Foi o suficiente para vencer a resistência do goleiro Ernani. O Bangu vencia por 3 a 2, e passou o tempo restante pressionando em busca do quarto tento, que não veio.

Quando o dirigente Ferreira Vianna entregou a taça de campeão ao meia Guálter, o Bangu sabia que tinha entrado para a história: era o primeiro time a levantar um troféu no recém-inaugurado Maracanã.

Os craques banguenses receberam da diretoria um prêmio de 3 mil cruzeiros. E adivinhem, quem foi eleito pela imprensa, o craque do Torneio?

“Indubitavelmente, Zizinho merece as honras de crack do Torneio. Em verdade, o novo atacante banguense chegou a se constituir no grande segredo da brilhante campanha cumprida pelo seu clube. Foi um verdadeiro espetáculo, a figura impressionante do seu quadro, o verdadeiro condutor da vitória” – sintetizou a revista Sport Ilustrado.

A imprensa, perspicaz, não deixou de notar o fato de que o técnico Flávio Costa era novamente vice-campeão, em um período inferior a 15 dias. Flávio foi também o técnico da Seleção Brasileira na Copa do Mundo...

Não houve volta olímpica, o Maracanã já estava às escuras – os refletores só seriam inaugurados no ano seguinte.

Lance desesperador para o zagueiro Sula que, no canto esquerdo da imagem, coloca as mãos na cabeça. Luiz Borracha salta, a bola passa e o Vasco chegaria ao empate com um gol contra do banguense

 

A FRASE

“Eu previ esse desfecho. Quando vi a forma por que se conduziu o team contra o Botafogo, adquiri a convicção de que tínhamos capacidade para conquistar o título. E os fatos vieram confirmar minha expectativa. O Bangu foi, de fato, o team que mais convenceu no Torneio Início”.

Aymoré Moreira
Técnico do Bangu em 1950

 

Ernani, Alfredo e Ismael: três protagonistas da primeira decisão entre clubes no Maracanã.

 


Domingo, 30 de julho de 1950

3 x 2

Competição: Torneio Início (Final)

Local: Maracanã (RJ)

Juiz: Carlos de Oliveira Monteiro

Público: 46.359

Bangu: Luiz Borracha, Mendonça e Sula; Guálter, Mirim e Pinguela; Menezes, Zizinho, Joel, Ismael e Moacir Bueno. T: Aymoré Moreira.

Vasco: Ernani, Laerte e Wilson; Alfredo, Lola e Jorge; Ferrinho, Jansen, Carlinhos, Jair e Lima. T: Flávio Costa.

Gols: No 1º tempo: Ismael (3), Sula (contra) (5), Ferrinho (8) e Zizinho (11). No 1º tempo da prorrogação: Menezes (4).   

Obs: Alfredo (Vasco) foi expulso.


TORNEIO INÍCIO 1950
Primeira Fase

12h00 – Bangu 0 x 0 Canto do Rio
Nos pênaltis: Bangu 2 a 1.

12h25 – Bonsucesso 1 x 0 América
Gol: Soca.

12h50 – Olaria 1 x 0 Engenho de Dentro
Gol: Alcino.

13h15 – Madureira 2 x 0 São Cristóvão
Gols: Oswaldinho e Tampinha.


Quartas-de-final

13h40 – Bangu 1 x 1 Botafogo
Gols: Zizinho; Braguinha.
Nos pênaltis: Bangu 3 a 2.

14h05 – Flamengo 1 x 0 Bonsucesso
Gol: Hélio.

14h30 – Olaria 0 x 0 Fluminense
Nos pênaltis: Olaria 3 a 2.

14h55 – Vasco 1 x 0 Madureira
Gols: Ipojucan.


Semifinais

15h20 – Bangu 1 x 0 Olaria
Gol: Ismael.

15h45 – Vasco 0 x 0 Flamengo
Nos pênaltis: Vasco 4 a 3.


Final

16h20 – Bangu 3 x 2 Vasco
Gols: Ismael, Zizinho e Menezes;
Sula (contra) e Ferrinho.


     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83