Rio de Janeiro, sábado, 29 de julho de 2017 - 08h34min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

23/10/1966 - BANGU 2 x 0 BONSUCESSO

FICHA TÉCNICA
Competição:
Campeonato Carioca
Local:
Moça Bonita (RJ)
Público:
1.058
Árbitro:
José Mário Vinhas
Ubirajara, Fidélis, Mário Tito, Luís Alberto e Ari Clemente; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Norberto, Cabralzinho e Aladim.
Técnico: Alfredo González.
Jonas, Luís Carlos, Paulo Lumumba, Moisés e Aluísio; Paulo César, Brandão e Ivo; Gilbert, Enos e Santos.
No 1º tempo: Cabralzinho (4) e Cabralzinho (11).

. . . . . . . . . . . . . . .

Fábrica produz para os gastos
Fo
nte: Última Hora

O Bangu manteve a liderança invicta, vencendo o Bonsucesso por 2 x 0, sem chegar a se empenhar, a não ser nos primeiros 20 minutos, quando construiu o marcador, passando o resto do jogo em ritmo de treino. O Bonsucesso não passou da mediocridade, nunca chegando a dar a impressão da necessidade de uma vitória para continuar almejando uma vaga entre os oito classificados para o returno.

O Bonsucesso armou um 4-3-3, dando a nítida impressão de que jogaria trancado na sua defesa para dificultar ao máximo os passos dos avantes banguenses, pois Brandão sobrava na frente da linha de quatro zagueiros. Mas o esquema não deu resultado, pois o jogador não se sentiu à vontade na posição, sem a velocidade necessária para dar o combate direto ao possuidor da bola, dando chance para que fosse feita a cobertura pelos seus companheiros. O Bangu, enquanto quis jogar, com deslocamentos de seus avantes, desmantelou todo o sistema adversário e chegou fácil aos 2 x 0. Mas depois parou, desinteressando-se inteiramente pelo jogo.


Futebol-arte

O Bangu iniciou o jogo em alta velocidade, tocando a bola e com deslocamentos constantes de Norberto para a direita e de Cabral para a esquerda. Aluísio ficou inteiramente batido pelas jogadas entre Norberto e Paulo Borges pelo seu setor, pois não recebia a cobertura dos homens de meio-campo e dali nasceram os gols do Bangu, nos 20 minutos em que deu uma verdadeira demonstração de futebol-arte.

Aos 4 minutos, Fidélis recebeu a bola na altura do meio-campo e avançou sem ser combatido até a intermediária, de onde alçou um centro que foi encontrar Aladim bem colocado para o arremate.

A bola bateu nas costas de Luís Carlos e ofereceu-se a Cabral, que de virada de dentro da pequena área, colocou no canto oposto em que se encontrava Jonas.

A defesa do Bonsucesso depois do gol ficou totalmente desorientada e era envolvida com tremenda facilidade pela dianteira banguense, com o meio de campo, inclusive, desaparecendo, o que dificultava mais ainda o trabalho de Paulo Lumumba e Moisés. Ivo era o único homem do Bonsucesso com bastante calma para tentar organizar alguma coisa, mas por outro lado pecava na marcação, como acontecia com Brandão e Paulo César. Decorrente dessa facilidade, o Bangu voltou a assinalar aos 11 minutos, quando novamente Fidélis recebeu a bola em boas condições e lançou um passe em profundidade para Cabral. Paulo Lumumba falhou no lance, permitindo a penetração de Cabral, que dominou e quando Jonas saiu para tapar o ângulo, o atacante colocou no canto oposto com um leve toque, em lance de grande categoria.

Neste tempo em que o Bangu esteve muito bem, ocorreram dois pênaltis contra o Bonsucesso, não assinalados pelo juiz. O primeiro aos 16 minutos, quando Luís Carlos cortou com as mãos uma investida de Norberto e outro aos 18 minutos, quando Cabral foi derrubado dentro da grande área.

No segundo tempo, o Bangu nada mais fez do que deixar o tempo passar, desinteressando-se pelo jogo. O principal fator do decréscimo banguense estava em seu meio de campo, onde Jaime e Ocimar passaram a não mais se empregar a fundo, prendendo-se no setor defensivo banguense. O Bonsucesso aproveitou-se para crescer um pouco dentro do jogo, mas nunca chegou a impressionar. Ubirajara fez sua defesa mais difícil numa bola atrasada por Ari Clemente, aos 28 minutos. A partir dos 33 minutos, o Bangu voltou a forçar um pouco o ataque e novamente dominou inteiramente as ações. Aos 40 minutos, em lindo passe de Cabral, Paulo Borges atirou na trave o gol mais feito do jogo.


Preliminar (Aspirantes): Bangu 1 x 1 Bonsucesso.

     
Livros
 
Estatísticas 2017
 
Jogos 20
Vitórias 5
Empates 6
Derrotas 9
Gols Pró 19
Gols Contra 32
Saldo de Gols -13
Aproveitamento 35%
Artilheiros 2017
 
Loco Abreu 3
Raphael Augusto 3
Rogerinho 2
Bruno Luiz 2
Leandro Chaves 1
João Guilherme 1
Guilherme 1
Carlinhos 1
Anderson Penna 1
Hygor Guimarães 1
Daniel Bueno 1
Marlon 1
Mauro Silva 1