Rio de Janeiro, sábado, 18 de novembro de 2017 - 13h38min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

23/10/1966 - BANGU 2 x 0 BONSUCESSO

FICHA TÉCNICA
Competição:
Campeonato Carioca
Local:
Moça Bonita (RJ)
Público:
1.058
Árbitro:
José Mário Vinhas
Ubirajara, Fidélis, Mário Tito, Luís Alberto e Ari Clemente; Jaime e Ocimar; Paulo Borges, Norberto, Cabralzinho e Aladim.
Técnico: Alfredo González.
Jonas, Luís Carlos, Paulo Lumumba, Moisés e Aluísio; Paulo César, Brandão e Ivo; Gilbert, Enos e Santos.
No 1º tempo: Cabralzinho (4) e Cabralzinho (11).

. . . . . . . . . . . . . . .

Fábrica produz para os gastos
Fo
nte: Última Hora

O Bangu manteve a liderança invicta, vencendo o Bonsucesso por 2 x 0, sem chegar a se empenhar, a não ser nos primeiros 20 minutos, quando construiu o marcador, passando o resto do jogo em ritmo de treino. O Bonsucesso não passou da mediocridade, nunca chegando a dar a impressão da necessidade de uma vitória para continuar almejando uma vaga entre os oito classificados para o returno.

O Bonsucesso armou um 4-3-3, dando a nítida impressão de que jogaria trancado na sua defesa para dificultar ao máximo os passos dos avantes banguenses, pois Brandão sobrava na frente da linha de quatro zagueiros. Mas o esquema não deu resultado, pois o jogador não se sentiu à vontade na posição, sem a velocidade necessária para dar o combate direto ao possuidor da bola, dando chance para que fosse feita a cobertura pelos seus companheiros. O Bangu, enquanto quis jogar, com deslocamentos de seus avantes, desmantelou todo o sistema adversário e chegou fácil aos 2 x 0. Mas depois parou, desinteressando-se inteiramente pelo jogo.


Futebol-arte

O Bangu iniciou o jogo em alta velocidade, tocando a bola e com deslocamentos constantes de Norberto para a direita e de Cabral para a esquerda. Aluísio ficou inteiramente batido pelas jogadas entre Norberto e Paulo Borges pelo seu setor, pois não recebia a cobertura dos homens de meio-campo e dali nasceram os gols do Bangu, nos 20 minutos em que deu uma verdadeira demonstração de futebol-arte.

Aos 4 minutos, Fidélis recebeu a bola na altura do meio-campo e avançou sem ser combatido até a intermediária, de onde alçou um centro que foi encontrar Aladim bem colocado para o arremate.

A bola bateu nas costas de Luís Carlos e ofereceu-se a Cabral, que de virada de dentro da pequena área, colocou no canto oposto em que se encontrava Jonas.

A defesa do Bonsucesso depois do gol ficou totalmente desorientada e era envolvida com tremenda facilidade pela dianteira banguense, com o meio de campo, inclusive, desaparecendo, o que dificultava mais ainda o trabalho de Paulo Lumumba e Moisés. Ivo era o único homem do Bonsucesso com bastante calma para tentar organizar alguma coisa, mas por outro lado pecava na marcação, como acontecia com Brandão e Paulo César. Decorrente dessa facilidade, o Bangu voltou a assinalar aos 11 minutos, quando novamente Fidélis recebeu a bola em boas condições e lançou um passe em profundidade para Cabral. Paulo Lumumba falhou no lance, permitindo a penetração de Cabral, que dominou e quando Jonas saiu para tapar o ângulo, o atacante colocou no canto oposto com um leve toque, em lance de grande categoria.

Neste tempo em que o Bangu esteve muito bem, ocorreram dois pênaltis contra o Bonsucesso, não assinalados pelo juiz. O primeiro aos 16 minutos, quando Luís Carlos cortou com as mãos uma investida de Norberto e outro aos 18 minutos, quando Cabral foi derrubado dentro da grande área.

No segundo tempo, o Bangu nada mais fez do que deixar o tempo passar, desinteressando-se pelo jogo. O principal fator do decréscimo banguense estava em seu meio de campo, onde Jaime e Ocimar passaram a não mais se empregar a fundo, prendendo-se no setor defensivo banguense. O Bonsucesso aproveitou-se para crescer um pouco dentro do jogo, mas nunca chegou a impressionar. Ubirajara fez sua defesa mais difícil numa bola atrasada por Ari Clemente, aos 28 minutos. A partir dos 33 minutos, o Bangu voltou a forçar um pouco o ataque e novamente dominou inteiramente as ações. Aos 40 minutos, em lindo passe de Cabral, Paulo Borges atirou na trave o gol mais feito do jogo.


Preliminar (Aspirantes): Bangu 1 x 1 Bonsucesso.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83