Rio de Janeiro, quinta-feira, 21 de setembro de 2017 - 07h32min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

03/03/1985 - BANGU 0 x 0 PONTE PRETA (SP)

FICHA TÉCNICA
Competição:
Taça de Ouro - Grupo D - Turno
Local:
Estádio Proletário Guilherme da Silveira Filho
Renda:
Cr$ 26.025.000,00
Público:
5.205 pagantes
Árbitro:
Nei Andrade Maia, auxiliado por João Carlos dos Santos e José Barreto de Souza
Gilmar; Velton, Jair, Oliveira e Márcio; Israel, Pingo e Mário; Marinho, Fernando Macaé (Pedrinho Gaúcho) e Ado
Técnico: Moisés
 
Sérgio; Toninho, Osmar, Valdir e Rubinho (Tefo); Régis, Jorge Mendonça e Gersinho; Sílvio, Adílson e Mauro
Oliveira (Bangu); Régis, Rubinho, Sílvio e Adílson (Ponte Preta)

. . . . . . . . . . . . . . .

Bangu empata com Ponte e é líder
Fonte: Jornal dos Sports

O Bangu poderia ter tido sorte melhor na partida de ontem à tarde, no Estádio Guilherme da Silveira, e saído com a vitória diante da Ponte Preta, mas o empate de 0 a 0 não foi injusto. Se no primeiro tempo foi equilibrado com certa vantagem para o time de Campinas, em virtude do trabalho muito bom de Gersinho no meio-campo, a etapa final foi do Bangu, que deixou de marcar em várias oportunidades.

No primeiro tempo, o time do Bangu apresentava falhas na marcação, principalmente no meio-campo, até porque seus jogadores não mostravam o mesmo empenho de outras partidas. A Ponte Preta, por sua vez, através de Gersinho, conseguia cadenciar o ritmo do jogo. E para destacar na primeira etapa, um lance de perigo para cada ataque: aos 16 minutos, Jorge Mendonça chutou na trave direita de Gilmar; e, aos 26 minutos, Marinho :obrigou o goleiro Sérgio a fazer grande defesa.

Os últimos 45 minutos, no entanto, foram totalmente do Bangu, que pressionou do começo ao fim, com muito mais volume de jogo e jogando com objetividade. E a primeira oportunidade perdida foi aos 19 minutos, quando o ponta Marinho cobrou uma falta e Sérgio fez nova grande defesa. Dois minutos depois, Pingo, mesmo sem ângulo, tentou o chute e a bola passou raspando o gol da Ponte Preta.

E os gols perdidos não ficaram, por aí. Aos 29 minutos, Pedrinho Gaúcho, que substituíra Fernando Macaé no intervalo do primeiro para o segundo tempo, perdeu o gol mais feito da partida, ao cabecear completamente sem marcação para fora. Quatro minutos depois, a maior reclamação da torcida do Bangu: a bola foi cruzada sobre a área e Marinho meteu a cabeça. O lateral-esquerdo Tefo, que entrara no lugar de Rubinho, tocou a mão na bola, dentro da área, e todos reclamaram a não-marcação do pênalti.

O Bangu ainda teve uma chance aos 40 minutos, quando Marinho cabeceou rente à trave do goleiro Sérgio. Assim, pelo que produziu na segunda etapa da partida, o Bangu merecia sorte melhor.



Vestiário do Bangu era de tristeza. Empate foi derrota


O clima do vestiário do Bangu era de muita tristeza, pois todos esperavam pela vitória e consideraram o empate como uma derrota. O técnico Moisés disse que o seu time merecia vencer, porque se no primeiro tempo o jogo havia sido muito equilibrado, no segundo dominou totalmente e perdeu varias chances de gol.

- A verdade e que o Bangu merecia sorte melhor no jogo de hoje (ontem).

E o técnico já está pensando no jogo de quarta-feira, contra o Vila Nova, no Estádio Guilherme da Silveira, quando poderá ter que escalar dois ex-juniores no miolo da zaga. Tudo porque Oliveira, que recebeu o terceiro cartão amarelo já está fora da próxima partida e, Jair, que já foi expulso duas vezes, poderá ser julgado hoje e receber nova suspensão. Nesse caso, os zagueiros de arca seriam Agnaldo e Cardoso.

O presidente do Conselho Deliberativo do clube, Castor de Andrade, que confirmou o bicho de Cr$ 250 mil pelo empate, procurava reanimar seus jogadores, dizendo que o Bangu continuava na briga e que dependia só dele. Bastava que vencesse os dois jogos que restam. Os jogadores se reapresentam amanhã, à tarde.


Atuações


GILMAR - Uma boa defesa no primeiro tempo e nada mais. No segundo, pouco exigido, limitou-se a defender chutes de longe e bolas atrasadas.
Velton - Multa disposição. Apareceu bem no ataque, embora defensivamente esteve um pouco intranqüilo e cometeu algumas falhas.
JAIR - Atuação apenas regular. Não foi o mesmo de outras partidas.
OLIVEIRA - Em nível superior a seu companheiro de :miolo de zaga, embora também não apresentasse o mesmo nível de outros jogos.
MÁRCIO - O melhor da defesa. Jogou com muita diasposição, cobrindo todos os setores da defesa e apoiou :muito bem o seu ataque.
ISRAEL - Um começo confuso, multo mais por culpa de seus companheiros que não o ajudavam na marcação. No segundo tempo, esteve melhor.
MÁRIO - Algumas boas jogadas, mas pecou na marcação, quando deixou Israel completamente abandonado.
PINGO - Começou bem, mas também não ajudava na marcação. No segundo tempo, quando seu time pressionou, esteve bem melhor.
MARINHO - O melhor jogador do Bangu e o que levou mais perigo ao gol da Ponte Preta.
FERNANDO MACAÉ - Ficou muito isolado todo o primeiro tempo e pecou por não saber sair da situação. Substituído por PEDRINHO GAÚCHO, no intervalo do primeiro para o segundo tempo, que deu maior movimentação ao ataque.
ADO - Começou bem o jogo, mas depois do soco que levou de Toninho, se perdeu um pouco.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83