Rio de Janeiro, sábado, 29 de julho de 2017 - 08h39min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos

03/03/1985 - BANGU 0 x 0 PONTE PRETA (SP)

FICHA TÉCNICA
Competição:
Taça de Ouro - Grupo D - Turno
Local:
Estádio Proletário Guilherme da Silveira Filho
Renda:
Cr$ 26.025.000,00
Público:
5.205 pagantes
Árbitro:
Nei Andrade Maia, auxiliado por João Carlos dos Santos e José Barreto de Souza
Gilmar; Velton, Jair, Oliveira e Márcio; Israel, Pingo e Mário; Marinho, Fernando Macaé (Pedrinho Gaúcho) e Ado
Técnico: Moisés
 
Sérgio; Toninho, Osmar, Valdir e Rubinho (Tefo); Régis, Jorge Mendonça e Gersinho; Sílvio, Adílson e Mauro
Oliveira (Bangu); Régis, Rubinho, Sílvio e Adílson (Ponte Preta)

. . . . . . . . . . . . . . .

Bangu empata com Ponte e é líder
Fonte: Jornal dos Sports

O Bangu poderia ter tido sorte melhor na partida de ontem à tarde, no Estádio Guilherme da Silveira, e saído com a vitória diante da Ponte Preta, mas o empate de 0 a 0 não foi injusto. Se no primeiro tempo foi equilibrado com certa vantagem para o time de Campinas, em virtude do trabalho muito bom de Gersinho no meio-campo, a etapa final foi do Bangu, que deixou de marcar em várias oportunidades.

No primeiro tempo, o time do Bangu apresentava falhas na marcação, principalmente no meio-campo, até porque seus jogadores não mostravam o mesmo empenho de outras partidas. A Ponte Preta, por sua vez, através de Gersinho, conseguia cadenciar o ritmo do jogo. E para destacar na primeira etapa, um lance de perigo para cada ataque: aos 16 minutos, Jorge Mendonça chutou na trave direita de Gilmar; e, aos 26 minutos, Marinho :obrigou o goleiro Sérgio a fazer grande defesa.

Os últimos 45 minutos, no entanto, foram totalmente do Bangu, que pressionou do começo ao fim, com muito mais volume de jogo e jogando com objetividade. E a primeira oportunidade perdida foi aos 19 minutos, quando o ponta Marinho cobrou uma falta e Sérgio fez nova grande defesa. Dois minutos depois, Pingo, mesmo sem ângulo, tentou o chute e a bola passou raspando o gol da Ponte Preta.

E os gols perdidos não ficaram, por aí. Aos 29 minutos, Pedrinho Gaúcho, que substituíra Fernando Macaé no intervalo do primeiro para o segundo tempo, perdeu o gol mais feito da partida, ao cabecear completamente sem marcação para fora. Quatro minutos depois, a maior reclamação da torcida do Bangu: a bola foi cruzada sobre a área e Marinho meteu a cabeça. O lateral-esquerdo Tefo, que entrara no lugar de Rubinho, tocou a mão na bola, dentro da área, e todos reclamaram a não-marcação do pênalti.

O Bangu ainda teve uma chance aos 40 minutos, quando Marinho cabeceou rente à trave do goleiro Sérgio. Assim, pelo que produziu na segunda etapa da partida, o Bangu merecia sorte melhor.



Vestiário do Bangu era de tristeza. Empate foi derrota


O clima do vestiário do Bangu era de muita tristeza, pois todos esperavam pela vitória e consideraram o empate como uma derrota. O técnico Moisés disse que o seu time merecia vencer, porque se no primeiro tempo o jogo havia sido muito equilibrado, no segundo dominou totalmente e perdeu varias chances de gol.

- A verdade e que o Bangu merecia sorte melhor no jogo de hoje (ontem).

E o técnico já está pensando no jogo de quarta-feira, contra o Vila Nova, no Estádio Guilherme da Silveira, quando poderá ter que escalar dois ex-juniores no miolo da zaga. Tudo porque Oliveira, que recebeu o terceiro cartão amarelo já está fora da próxima partida e, Jair, que já foi expulso duas vezes, poderá ser julgado hoje e receber nova suspensão. Nesse caso, os zagueiros de arca seriam Agnaldo e Cardoso.

O presidente do Conselho Deliberativo do clube, Castor de Andrade, que confirmou o bicho de Cr$ 250 mil pelo empate, procurava reanimar seus jogadores, dizendo que o Bangu continuava na briga e que dependia só dele. Bastava que vencesse os dois jogos que restam. Os jogadores se reapresentam amanhã, à tarde.


Atuações


GILMAR - Uma boa defesa no primeiro tempo e nada mais. No segundo, pouco exigido, limitou-se a defender chutes de longe e bolas atrasadas.
Velton - Multa disposição. Apareceu bem no ataque, embora defensivamente esteve um pouco intranqüilo e cometeu algumas falhas.
JAIR - Atuação apenas regular. Não foi o mesmo de outras partidas.
OLIVEIRA - Em nível superior a seu companheiro de :miolo de zaga, embora também não apresentasse o mesmo nível de outros jogos.
MÁRCIO - O melhor da defesa. Jogou com muita diasposição, cobrindo todos os setores da defesa e apoiou :muito bem o seu ataque.
ISRAEL - Um começo confuso, multo mais por culpa de seus companheiros que não o ajudavam na marcação. No segundo tempo, esteve melhor.
MÁRIO - Algumas boas jogadas, mas pecou na marcação, quando deixou Israel completamente abandonado.
PINGO - Começou bem, mas também não ajudava na marcação. No segundo tempo, quando seu time pressionou, esteve bem melhor.
MARINHO - O melhor jogador do Bangu e o que levou mais perigo ao gol da Ponte Preta.
FERNANDO MACAÉ - Ficou muito isolado todo o primeiro tempo e pecou por não saber sair da situação. Substituído por PEDRINHO GAÚCHO, no intervalo do primeiro para o segundo tempo, que deu maior movimentação ao ataque.
ADO - Começou bem o jogo, mas depois do soco que levou de Toninho, se perdeu um pouco.

     
Livros
 
Estatísticas 2017
 
Jogos 20
Vitórias 5
Empates 6
Derrotas 9
Gols Pró 19
Gols Contra 32
Saldo de Gols -13
Aproveitamento 35%
Artilheiros 2017
 
Loco Abreu 3
Raphael Augusto 3
Rogerinho 2
Bruno Luiz 2
Leandro Chaves 1
João Guilherme 1
Guilherme 1
Carlinhos 1
Anderson Penna 1
Hygor Guimarães 1
Daniel Bueno 1
Marlon 1
Mauro Silva 1