Rio de Janeiro, domingo, 17 de dezembro de 2017 - 06h11min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

BANGU, REINO DA MALANDRAGEM

A cada dia, o time enche mais velhos malandros do futebol brasileiro. Os últimos foram Marco Antônio e Alcino. Agora, fala-se em Jairzinho. Do futebol, eles conhecem todos os macetes - qualidade ideal para sobreviver no Bangu

Foto: Revista Placar
Moisés, aqui marcando uma cerveja, é o lider do time, o homem de Castor no futebol. Dá duro nos jogadores novos e, se tudo der certo, ingressa na vida política: quer ser vereador pelo PP

- Que caras são essas, meus meninos? Todos com olhinho de jacaré em beira de pântano? Vamos que é hora de serpentear atrás da bola!

Quem diria? O velho Moisés dando ordem de serviço, puxando a fila nos exercícios físicos. Aos 33 anos, virou o sargentão do Bangu, o porta-voz de Castor de Andrade para assuntos de futebol.

O calor é intenso em Moça Bonita, mas o time está em campo pronto para treinar. Moisés é cercado pelos companheiros e dá o recado: "Papai Castor convida todo mundo para mastigar 'uma carne macia e tomar uma cerveja, que garganta seca não solta palavra". Hoje é dia de churrascada, amanhã de feijoada, pescaria ou roda de samba. Os jogadores organizam, Castor paga tudo.

Paga tanto que o lateral Marco Antônio, comprado ao Vasco, nem acreditou quando Castor de Andrade resolveu presenteá-lo com uma quitinete, como votos de boas-vindas ao clube.

   
Fotos: Revista Placar
Marco Antônio: "O Castor é a Srra pelada da minha vida".
Renê: a ordem não é chegar junto. É chegar primeiro.
Alcino: "Atacante devagar vira jacaré de sapato".

215 anos de idade e de muita malandragem
- O senhor é a Serra Pelada da minha vida - exclamou o jogador, a um tempo surpreso e emocionado.

Marco Antônio (29 anos),Moisés (33), Ademir Vicente (29), Carlos Roberto (33), Alcino (29), Tobias (29) e Renê (33) integram o chamado "'esquadrão da malandragem". Juntos, somam 215 anos de idade, milhares de minutos correndo atrás de uma bola, vivendo e aprendendo os macetes do futebol. Mas que ninguém se iluda: no Bangu, o malandro maior continua a ser o "doutor" Castor, rei do jogo do bicho, industrial bem-sucedido. E quando suas conversas ao pé do ouvido não resolvem - o que é raro -, resta sempre um último e poderoso argumento: seu 38 todo dourado e com cabo de madre-pérola que traz sempre ao alcance da mão.

Na verdade, esse temível esquadrão.não custou muito a perceber que, no Bangu, a grande malandragem é rezar segundo a cartilha de Castor. O ponta-esquerda Marcelinho, garoto novo, demorou um pouco mais para aprender esta lição. Andou torrando o dinheiro dos bichos e salários, além de chegar sistematicamente atrasado aos treinos. Até que um dia recebeu o recado de Moisés: "O homem quer falar com você".

Na sala de Castor, foi recebido por uma expressão carrancuda e uma pergunta formulada com voz firme: "Você anda chegando tarde todo dia, não é?" Tentou contemporizar: "O senhor compreende, o ônibus vem cheio..." E já ia preparando o espírito para uma punição qualquer, quando Castor ordenou: "Olha, isso tem de acabar de vez, garoto. Passe lá na minha agência e pegue um fusca. E seu. E não me atrase mais".

 
Fotos: Revista Placar
Ademir Vicente:
dando o exemplo para a garotada.
Carlos Roberto:
na democracia à Bangu, todos dão palpite.

Com o centroavante Luisão, a história não foi muito diferente. Ele tinha a promessa de ganhar um automóvel se marcasse um gol contra o Goytacaz. Fez o que pôde em campo: correu, deu cabeçada em beque, chutou a trave, mas não conseguiu marcar. Por isso, passou uma semana triste, inconsolável. Comovido com o estado do companheiro, Carlos Roberto resolveu interceder junto a Castor. Alguns dias depois,o crioulo aparecia para o treino motorizado e com um enorme riso branco na cara:

- Cê viu, baixinho (Carlos Roberto), o kadron do meu voiquisvague?

Na opinião de Marco Antônio, o Bangu é o paraíso do futebol brasileiro. E para justificar tal afirmação, ele cita não só o apartamento que ganhou de presente de Castor, mas também o clima de liberdade que vigora no clube. Nas reuniões antes de cada jogo, por exemplo, todos falam de tática, discutem qual a melhor maneira da equipe atuar. Essa prática, há quem diga, esvaziou o comando do técnico Décio Leal. Mas Carlos Roberto tem outra opinião:

- Até seu Castor dá palpite e, de todas as sugestões, surge a tática. Vem cá, você não acredita em democracia? Pois aqui exercitamos a democracia à moda Bangu. É um esquema de tanta liberdade que o Castor até já avisou no bar: "Podem servir chope depois do treino porque os meninos gostam. Mas somente dois para cada um".

À sua maneira, Castor vai dirigindo o Bangu, animado por um antigo sonho: repetir a façanha de 1966, o clube sagrar-se novamente campeão carioca. O ano para a grande conquista já está até marcado: 1982.

- O que eu tenho - explica Castor de Andrade - não são malandros, mas, sim, jogadores com uma dose bem mesclada de sabedoria e picardia, que, cá entre nós, é uma forma mais refinada de malandragem.

Desse imprevisível e surpreendente Bangu, que mistura velhas raposas do futebol com alguns jovens valores, pode sair de tudo. Futuros campeões e até mesmo um político - Moisés, que conta com a ajuda financeira e o prestígio de Castor de Andrade para eleger-se vereador pelo Partido Popular. O mote da campanha já está até preparado:

- Um homem só é feliz quando dá arroz e feijão ao pobre. E eu, se for eleito, lutarei por isso - afirma Moisés, ensaiando um discurso tão populista quanto os métodos de trabalho de seu padrinho político.


Repórter: Hideki Takizawa. Fotógrafo: Ignácio Ferreira.
Fonte: Revista Placar, 23/01/1981.
          Revista gentilmente cedida por Leonardo Cesar (leoicet@terra.com.br).

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83