Rio de Janeiro, sábado, 18 de novembro de 2017 - 13h29min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

PINHEIRO, UM TÉCNICO SEM MEIAS PALAVRAS

Foto: O Dia
 
O técnico Pinheiro ergue a taça, tendo ao lado, sorridente, o patrono Castor, também de faixa

Com franqueza e conceitos simples, o treinador faz o Bangu crescer e repete o sucesso do América na Copa Brasil

O extrovertido ponta-direita Marinho gelou naquela tarde. Ele acabara de ouvir pelo rádio o nome do técnico que assumiria o Bangu no segundo turno do Campeonato Carioca. Marginalizado, o armador Arturzinho torceu o nariz. Imaginou que, com o novo chefe, continuaria sem oportunidade. A inquietação tomou conta de Moça Bonita. Afinal, o escolhido era João Carlos Batista Pinheiro. Ou apenas Pinheiro, 55 anos, zagueiro do Fluminense nas décadas de 50 e 60, e treinador com fama de durão.

Quase dois meses depois, Marinho continua com suas habituais brincadeiras nos treinos, sob o complacente olhar do técnico. Arturzinho é titular absoluto do meio-campo. E o resto do elenco vive dias de descontração e confiança.

O que aconteceu? Foi Pinheiro quem mudou, garante Arturzinho. “Quando joguei no juvenil do Fluminense, ele era um treinador sem diálogo”, testemunha. “Hoje, conversa mais, é flexível”. Já o goleiro Paulo Sérgio, que também passou pelas equipes amadoras das Laranjeiras, prefere outra explicação. “Acontece que Pinheiro é exigente e fala verdades, o que alguns jogadores não aceitam”.

De fato, é tênue a diferença entre sua imagem de grosseirão, para uns, e irmão mais velho, para outros. A voz forte, o nariz grande, o bigodão de cantor mexicano e o físico avantajado compõem um tipo rude, imune à etiqueta. Tudo não passa de impressão. Duas cenas pinçadas de seu dia-a-dia provam isso. Em fevereiro, quando dirigia o América, chorou como criança diante de jogadores e jornalistas, ao falar do amigo Castilho, que se suicidara dias antes.

Ainda em Andaraí, pegou no pé do lateral Dedé durante um treino. “Por que você não avançou?”, cobrou o treinador. “Perdi a chuteira”, justificou o lateral, envergonhado. “Qual a diferença? Com chuteira ou descalço, você não joga nada mesmo”, fulminou Pinheiro, mal disfarçando o riso. Nem Dedé resistiu a uma gargalhada.

É verdade que não só de cenas engraçadas vive o relacionamento com seus jogadores. Ao mesmo tempo que gosta de brincar, não abre mão da disciplina. Foi por isso que acabou deixando o América depois de quatro derrotas consecutivas na Taça Guanabara, ainda que tivesse levado o time a um inédito terceiro lugar na última Copa Brasil.

Tudo começou na véspera da partida com o Vasco pela Taça Guanabara. “Não quero ver Dunga mandando no jogo”, advertiu Pinheiro durante uma preleção. “Não podemos pipocar diante dele”, exigiu. “Você está me chamando de medroso?”, vestiu a carapuça o rodadíssimo centroavante Luisinho. Houve um bate-boca, o Vasco venceu por 3 x 0 e o episódio serviu para azedar as relações do técnico com o vice-presidente Antônio Tavares.

Magoado com a falta de reconhecimento dos cartolas, Pinheiro tratou de mostrar sua capacidade em outro lugar. No Bangu, repetiu o mesmo método que o distingue dos chamados técnicos estrategistas – um estilo à base de poucas palavras e muita simplicidade.

O resultado, em campo, é um jogo solidário e extremamente prático. “Se não dá para ganhar, mando jogar pelo empate”, admite. Assim, até a semana passada, o Bangu era líder invicto da Taça Rio e tinha a defesa menos vazada, com dois gols contra.

“O trabalho de Pinheiro já deveria ter sido reconhecido há mais tempo”, confeteia Zagalo, que possui o hábito de criticar seus colegas. “O Bangu não chegou aí por acaso”, completa o tricampeão mundial. Também os jogadores não se cansam de reverenciá-lo. “Pela primeira vez conheci um técnico que, no intervalo, mostra como ganhar o jogo”, conta Bene, zagueiro do América. “Pensei que não tinha mais nada a aprender, mas ele me ensinou muito”, assegura o experiente Mauro Galvão, do Bangu.

É bom, portanto, prestar atenção a seu trabalho, até porque Pinheiro tem bons padrinhos. Por conta de um deles, o cartola americano Ildo Nejar, velho amigo do presidente da CBF, Otávio Pinto Guimarães, seu nome foi cogitado para a Seleção. Hoje, Pinheiro presta contas ao patrono banguense Castor de Andrade – com quem Otávio sempre teve boas relações. Muita gente aposta que ele vai longe.

Foto: O Dia
 
Pinheiro vibra intensamente tão logo o jogo acabou

Repórter: Carlos Orletti.
Fonte: Revista Placar, nº 889, de 15/06/1987.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83