Rio de Janeiro, terça-feira, 19 de setembro de 2017 - 10h20min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

UM DRIBLE DO DESTINO

Zizinho recusa convite do Bangu para ser operário e vai parar na Gávea, onde vira ídolo

Foto: Jornal O Dia  

Finalmente, surgira a tão sonhada chance. Deixou Niterói, desceu na estação das barcas, na Praça 15, pegou um lotação até a Central do Brasil e, dali, um trem que se arrastaria até os confins da Zona Oeste do Rio.

O jovem Thomaz Soares da Silva, caboclo de 17 anos, estrela do Carioca de São Gonçalo, dera um show de bola no treino do Bangu Atlético Clube. A caminho do vestiário, um dos empregados do Dr. Silveirinha, dono do clube e da Fábrica de Tecidos Bangu, veio dar-lhe o recado:

“Doutor mandou o senhor passar no escritório dele, depois do banho.”

Os olhos de Zizinho brilharam. O sonho de tornar-se um profissional de futebol, enfim, estava se materializando. Dez minutos depois, cheirando a sabonete Eucalol, o jovem deu três toques e abriu a porta. Afável, o empresário abriu os braços, oferecendo-lhe uma cadeira. E deu logo a notícia:

“Está contratado!”

O coração do jovem armador disparou:

“Então, vamos assinar o contrato?”

Dr. Silveirinha estranhou:

“Contrato? Contrato de quê?”

O jovem respondeu:

“Ora, para que eu seja profissional do Bangu.”

O dono do clube abriu um sorriso maroto:

“Não, meu rapaz. Vou registrá-lo como operário da fábrica. E aí você passará a jogar pelo nosso time.”

Zizinho sentiu o chão desaparecer sob seus pés. Resolveu perguntar, para que não houvesse nenhuma dúvida:

“O senhor quer me contratar como operário?”

“É lógico!”, rebateu o empresário, confiante.

Zizinho abaixou a cabeça e desabafou:

“Poxa! Atravessei a cidade e vim aqui para parar de trabalhar, para me dedicar exclusivamente ao futebol, e vocês querem me dar um emprego na fábrica? Tchau!”, disse, pondo as chuteiras embaixo do braço e indo embora.

Existem lendas que contam como Pelé e Garrincha foram recusados por alguns clubes. Essa é a história de Zizinho, tão fenomenal como aqueles dois. É a história do dia em que a sorte fechou as portas de Moça Bonita e abriu as do Estádio José Bastos Padilha, na Gávea, onde Ziza foi parar para mais um teste.

Faltavam 15 minutos para o treino terminar, quando Leônidas da Silva – o Pelé da época – sentiu a coxa e teve de deixar o campo. O técnico Flávio Costa mandou que chamassem “o rapaz de Niterói”.

Zizinho entrou e, apesar do pouco tempo, marcou três gols. Um deles driblando diversos adversários antes de chutar para o gol. Nunca mais ficou no banco de reservas no Flamengo, nem na seleção brasileira.

Encerrou a carreira no Bangu de Dr. Silveirinha, que jamais se conformou em ter perdido a chance de contratar um dos maiores craques brasileiros de todos os tempos.

Com 80 anos, Zizinho só assiste a jogos de basquete. Evita ver essas peladas que enchem de monotonia as noites brasileiras, a bem da saúde e do talento:

“Tenho medo de desaprender”, esclarece.


Fonte: Jornal O Dia - Futebol-Arte
Repórter: Cláudio Vieira

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83