Rio de Janeiro, domingo, 19 de novembro de 2017 - 06h38min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

MAURO GALVÃO: QUANDO A VIDA BOA COMEÇA

Foto: Lancenet

Um dos maiores zagueiros da história do futebol brasileiro, Mauro Galvão faz 40 anos e segue firme, forte e na ativa. Ele já conquistou 17 títulos na carreira, que começou em 1979

Nesta quarta, 19 de dezembro, Mauro Galvão, zagueiro do Grêmio, faz 40 anos. Um começo e tanto de vida para quem já conquistou 17 títulos na carreira – e quer mais. E quem deveria comemorar é o futebol brasileiro, por ter ainda em atividade um jogador de tamanha categoria – um seguidor da escola dos Nilton Santos, Gamarra, Bobby Moore.

– Acho que vou jogar mais uns dois ou três anos. Mas não sei. Perguntaram isso quando eu tinha 35 anos e eu respondi a mesma coisa – lembra Mauro Galvão, com desprezo por previsões.

O segredo da longevidade? Não bebeu, não fumou, dormiu cedo, treinou, e, principalmente, nunca perdeu o prazer de jogar.

– Eu me senti muito mal no Vasco, em 2000, com aquela briga entre o Romário e o Edmundo. Se eu pudesse voltar no tempo, rescindiria o contrato e iria embora – afirma Galvão, ao relembrar o único episódio amargo das 23 temporadas que viveu como profissional.

Por isso, garante: quando não se sentir satisfeito com o próprio desempenho, quando o prazer sumir, deixa tudo e entra para um curso de técnico, possivelmente em Lugano, na Suíça, onde jogou de 1990 a 96.

O Grêmio, é certo, renovará seu contrato, em fevereiro. Mauro Galvão será figura fundamental para a realização do sonho do Tricolor de ganhar a Libertadores e voltar a Tóquio, onde já esteve em 1983 e 95.

– Ele é um jogador tão valioso, que pretendemos usá-lo apenas uma vez por semana, para evitar um desgaste maior – diz o técnico Tite.

Galvão respeita: diz que o Grêmio tem que pensar no melhor para o próprio Grêmio. Mas visivelmente não gosta da idéia. Recorda que, no primeiro semestre deste ano, atuou em todas as 35 partidas.

– Quem está bem deve continuar.

Ele percebe que crescem as especulações sobre seus limites. Em outras palavras: muitos gremistas acham que ele já deu o que tinha que dar. Mas Galvão não se abala. Deduz que essa imagem decorre de um segundo semestre ingrato, durante o qual praticamente não jogou. Uma inflamação no tendão-de-aquiles levou três meses para ser curada; na volta, a longa inatividade causou-lhe uma distensão muscular. Apesar disso, segue firme, forte e na ativa.

O futebol brasileiro agradece.

Momentos inesquecíveis de Mauro Galvão

No Bangu - Aos 25 anos, Mauro Galvão vai para o Bangu, do bicheiro Castor de Andrade.

- Eu nunca tinha imaginado sair de Porto Alegre. Deixei minha esposa com os pais dela e fui para o Rio. De tão preocupado, eu nem dormia – relata.

Sobre o clube carioca e a relação com o bicheiro, Mauro conta uma história
curiosa:

– O Bangu foi o único clube em que recebi bicho “ao vivo e a cores”. Nos outros, depositam na conta. Depois das vitórias, a gente fazia fila na frente da sala do Castor de Andrade. Ele abria uma maleta e ia distribuindo a grana. Nunca mais vi daquilo.


Texto: Divino Fonseca
Fonte: Lancenet - 19/12/2001

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.116
Vitórias 1.713
Empates 980
Derrotas 1.423
Gols Pró 7.267
Gols Contra 6.306
Saldo de Gols 961
Artilheiros
 
Ladislau 229
Moacir Bueno 202
Nívio 152
Menezes 138
Zizinho 124
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 97
Arturzinho 93
Marinho 83