Rio de Janeiro, terça-feira, 19 de setembro de 2017 - 10h19min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

CAIXA D'ÁGUA NA CABEÇA

Dívidas dos clubes de futebol do Rio com a Cedae ultrapassam R$ 2 milhões

Foto: Marcelo Theobald/1-9-2003
(O Globo)
O GATO TRICOLOR na rua Pinheiro Machado:
o clube acabou multado pela Cedae

Um oceano separa Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco de Antonina, Cabuçu, Jahu, Tamoio e Tomazinho, clubes filiados às ligas amadoras ou que disputam, no máximo, a terceira divisão estadual. Um lençol freático os torna iguais entre si, independentemente do espaço que lhes é reservado na história do futebol brasileiro. Juntamente com América, Americano, Bangu, Bonsucesso, Campo Grande, Pavunense e São Cristóvão, todos têm alguma pendência ou fazem parte da lista de devedores da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae). Somados, os débitos computados até novembro deste ano chegam a R$ 2.205.319,70.

A situação é considerada grave pela direção da companhia, pois, caso os clubes pagassem pelos serviços fornecidos, ajudariam a Cedae a saldar compromissos, comprar materiais e a atender com mais eficiência a população dos 62 municípios onde atua.

- Estamos abertos e receptivos a todos os inadimplentes interessados em negociar suas dívidas, facilitando pagamentos dentro da política estabelecida pela companhia - disse o diretor comercial da Cedae, Lutero de Castro Cardoso.


Para companhia, Fla é o maior devedor

Foto: Jorge William/12-8-2003
(O Globo)
FUNCIONÁRIA CARREGA um balde, em agosto, na Gávea: Fla contesta a dívida

Os quatro grandes da capital são os que mais "bebem água da fonte" sem pagar. O Flamengo, que em agosto teve o fornecimento suspenso por inadimplência, obrigando funcionários e até jogadores a tomarem banho em casa, é o número um da lista de devedores. De acordo com a Cedae, pelo consumo aferido pelos hidrômetros localizados na Rua Mário Ribeiro, na Gávea, e na Avenida Borges de Medeiros, na Lagoa, o rubro-negro tem de pagar R$ 635.072,34. O vice de finanças do clube, Luís Felipe Brandão, porém, não só contesta a dívida como sustenta que a companhia é que deve dinheiro ao Flamengo:

- Achamos o valor que nos vinha sendo cobrado absurdo e contratamos uma firma para verificar o consumo. A conclusão foi de que o Flamengo realmente pagava mais do que devia. Fomos à Justiça e, hoje, pagamos R$ 35 mil mensais em juízo, e não os R$ 60 mil que estávamos acostumados. Essa firma que nos prestou serviço ainda entende que a Cedae nos deve dinheiro por cobranças irregulares.

Na contabilidade da companhia, o débito do Botafogo é de R$ 299.088,10. Em dezembro, começarão a ser cobrados outros R$ 117,5 mil devidos desde maio de 2001 e negociados por administrações anteriores à do presidente Bebeto de Freitas. Este reconhece a existência de uma dívida, não a nega, mas, sutilmente, dá a entender que pagará quando puder:

- Temos de encontrar um solução para resolver esse problema, mas o prazo é o nosso.

Em agosto, o Fluminense foi multado pela descoberta de um "gato" de três polegadas de diâmetro que abastecia a sede das Laranjeiras. A dívida tricolor chegou a R$ 306 mil, mas foi equacionada com a companhia. Hoje, o clube paga R$ 97 mil mensais por contas de água e esgoto, mais o parcelamento do débito. Atualmente, é considerado adimplente.

- A própria Cedae reconheceu que a instalação irregular era coisa antiga, não havia sido feita pela nossa administração. Está tudo normalizado - explica o superintendente Carlos Henrique Correia.

O Vasco, curiosamente, está em dia, mas causou estranheza à Cedae o baixo consumo em sua sede, que gerava uma conta mensal de R$ 14 mil a R$ 18 mil. Para acabar com as dúvidas, técnicos fizeram uma vistoria-surpresa em São Januário no última segunda-feira e descobriram cinco poços artesianos que retiravam água ilegalmente de lençóis freáticos de área, onde existe rede de abastecimento.

Como a perfuração de tais poços não foi solicitada à Cedae, como estabelece a Política Nacional de Recursos Hídricos e o decreto regulador dos serviços de abastecimento e esgotamento sanitário realizado pela companhia, a direção da empresa vai contestar o Vasco por via judicial.

- O clube está rigorosamente em dia com a Cedae e essa contestação é uma prova de que eles não têm mais o que fazer. Podemos perfurar o que quisermos, contanto que não haja passagem fluvial no solo - alegou o assessor da presidência Ricardo Vasconcelos.

Editoria de Arte (O Globo)

Fonte: Jornal O Globo (Repórter: Fábio Juppa), 05/12/2003.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83