Rio de Janeiro, domingo, 24 de setembro de 2017 - 18h12min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

A LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA

O sofrimento de quem um dia já foi grande

Na gangorra do futebol, Bangu retorna à elite depois de quatro anos de agonia,
enquanto o América, sem atividades até julho, padece pela primeira vez na Série B do Rio

 
UM FUNCIONÁRIO DO BANGU apara a grama de Moça Bonita:
estádio terá jogos do Campeonato Estadual

Rivais em campo e no coração de torcedores cariocas por quase um século, Bangu e América sofrem com a gangorra do futebol. Pela primeira vez na Segunda Divisão do Estadual, o Mequinha só terá futebol em meados do ano. O Alvirrubro da zona oeste, após quatro anos de angústia na Série B do Rio, está de volta ao palco principal, mas sem o glamour de outrora. América e Bangu resistem, insistem, sobrevivem sem dinheiro, estrutura, craques...

- Eu estou me virando porque está difícil - reconheceu o presidente do Bangu, Jorge Varella.

Gerado dentro da Companhia Progresso Industrial do Brasil em 1904, o Bangu apela à sua essência trabalhadora para suprir a escassez de dinheiro para produzir orgulho. A esperança se baseia no suor operário de seus jogadores. Sem estrela, o clube carrega a tradição no escudo.

- Iniciei o trabalho pensando em ficar na Primeira Divisão. Agora, já vejo chance de chegar a uma semifinal - afirmou o presidente.

 

No vestiário de Moça Bonita, sem suporte de um psicólogo na comissão técnica, um cartaz afixado faz a contagem regressiva para a estreia diante do Mesquita, o que pode significar a retomada do clube e a guinada de várias carreiras:

"Faltam apenas 7 dias para o início da etapa mais importante de nossas carreiras. Você está preparado? O nosso sucesso depende do empenho de todos", diz a mensagem.

Assim como sua fundação, o lema é mãos à obra. Na sede, funcionários se esforçam no retoque de muros, grades e arquibancadas. No campo - totalmente desnivelado -, a grama está aparada para Moça Bonita voltar a comportar um jogo de Série A. Os vestiários necessitam de modernização.

 

Para transportar o elenco para os jogos, parceria com uma empresa de ônibus está fechada. Clube que na década de 80 era administrado pelo contraventor Castor de Andrade e exibia fartura, hoje está à míngua. A diretoria tenta vender o espaço na camisa para afrouxar o nó da folha salarial - R$ 50 mil - e respirar. Recém chegado à elite, o time tem cota de TV inferior aos pequenos - cerca de R$ 120 mil pela participação no Carioca.

Com estrutura vulnerável, o Bangu convive com a sombra da "proteção" da Federação de Futebol do Rio de Janeiro, já que o presidente Rubens Lopes é torcedor do clube. - Isso nem perturba mais a gente. Ficamos na Segunda Divisão justamente o período em que Rubinho assumiu à Federação. Em 2008, tivemos a defesa menos vazada e o melhor ataque. Será que o Rubinho entrou em campo e fez 50 gols? - questionou o supervisor Celso Bandeira.



Homenagem e planos para o ídolo Marcão

O Bangu pavimenta o sonho de surpreender no Campeonato Estadual com juventude e amor à camisa. Sem dinheiro, a diretoria aposta nos pratas-da-casa unidos a jogadores experientes com sentimento ligado ao clube. O apoiador Douglas Silva já está integrado ao elenco e o sonho de consumo da diretoria é o volante Marcão, jogador símbolo da redenção do Fluminense no final da década de 90.

- Temos um projeto interessante para o Marcão, que ele gostou. Estamos esperando a resposta - afirmou o presidente do clube, Jorge Varella.

A proposta consiste em oferecer a Marcão a continuidade como técnico de futebol, logo assim que encerrar o Campeonato Estadual. Por ora, o técnico Edson Souza trabalha com a realidade imposta. A folha salarial não pode passar dos R$ 50 mil e o maior salário é de R$ 4 mil. As esperanças são os atacantes Somália e Sassá. Com Moça Bonita em reformas e sem estrutura ideal - os jogadores fazem musculação numa academia perto do estádio -, o time realizou pré-temporada no emprestado centro de treinamento do empresário Pedrinho Vicençote, em Itaguaí. Antes, treinaram num campo do Corpo de Bombeiros, em Guadalupe.


Repórteres: Guto Seabra e Vitor Machado
Fotógrafo: Guilherme Pinto
Fonte: Jornal Extra, publicada em 18/01/2009.
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83