Rio de Janeiro, domingo, 24 de setembro de 2017 - 17h58min
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Reportagens

O PIONEIRO DE BANGU

Para os alvirrubros, seu Danau foi quem trouxe o futebol para o Brasil

Há gatos por toda parte no grande galpão que serve como ateliê para o escultor, cenógrafo e empresário Clécio Régis, no bairro de Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. No canto do seu escritório, um quadro romantiza a fábrica de tecidos que, no final do século XIX, transformou aquele areal numa região quase independente do resto da cidade.

No fundo do galpão, chama a atenção uma estátua de gesso inacabada de um atleta com mais de 4 metros de altura e trajando um uniforme de antigamente. A cabeça, em que se destaca uma vistosa bigodeira, ainda precisa ser pregada ao resto do corpo. A estátua representa Thomas Donohoe, um escocês nascido em 1863 que desembarcou no Brasil aos 31 anos para trabalhar na fábrica de tecidos que estava então sendo construída em Bangu.

A homenagem foi idealizada por Benevenuto Rovere Neto, presidente do Grêmio Literário José Mauro de Vasconcelos – que, apesar do nome, é uma espécie de museu dedicado a Bangu. Seu Beto, como é conhecido por ali, teve o estalo ao assistir à Corrida de São Silvestre no ano passado. “A ideia veio quando o jornalista disse que os atletas estavam passando em frente à praça Charles Miller, pioneiro do futebol no Brasil”, disse ele. “As pessoas não sabem que o pioneiro é o seu Danau”, exaltou-se. Era imperativo corrigir o equívoco histórico.

Seu Danau é como muitos banguenses se referem a Thomas Donohoe, que eles consideram o verdadeiro introdutor do futebol no Brasil. O escocês desembarcou no Rio em 21 de maio de 1894 e, em setembro daquele ano, já teria botado a bola para rolar – sete meses antes, portanto, daquela que é considerada a primeira partida oficial do futebol brasileiro, promovida em abril do ano seguinte por Charles Miller, em São Paulo.

Essa é a versão da história defendida no livro Nós É que Somos Banguenses, do jornalista Carlos Molinari. A vida de Thomas Donohoe e a partida organizada por ele ocupam todo o primeiro capítulo dessa obra que retrata, ano a ano, a trajetória do Bangu Atlético Clube, time do qual o autor é torcedor fanático. De acordo com o texto, a bola usada na partida inaugural foi trazida da Europa pela mulher do escocês. Molinari conta o jogo com riqueza de detalhes:

No domingo pela manhã, já era possível ver o sr. Donohoe arrumando uma área livre (...), e fincando quatro estacas, duas de cada lado da várzea, formando assim as traves. Quem passasse pelo local naquela manhã poderia imaginar que o escocês estivesse tentando construir alguma coisa. À tarde, porém, devem ter pensado que todos os técnicos britânicos enlouqueceram. Donohoe chamou de casa em casa todos os seus companheiros dos velhos tempos e um grupo composto de aproximadamente dez homens apareceu nas proximidades do terreno para estrear a bola nova e matar a saudade do tão salutar jogo que eles haviam deixado para trás na Inglaterra.

O livro não menciona as fontes em que se baseia o relato, mas Molinari enumerou alguns documentos de onde inferiu vários aspectos da vida de Donohoe. “Através dos livros do Bangu é possível determinar a rua exata e o número onde ele morava”, disse. “Fora isso, temos rastros dele quando há alguma cerimônia na fábrica Bangu e ele é citado como um dos mestres de seção, participando dos almoços, das recepções que chefes de Estado tinham quando iam até o estabelecimento fabril.” O autor, porém, admite que romanceou um pouco a história. “Entrar na psicologia do personagem foi a fórmula que encontrei para que o texto ficasse atrativo aos leitores”, disse.

Sem documentos ou testemunhas que lhe deem respaldo, o pioneirismo de Thomas Donohoe não é levado a sério fora de Bangu. Para os historiadores do futebol no Brasil, a partida organizada por ele vem se juntar a outros relatos, mais ou menos nebulosos, de bate-bolas por todo o país antes de Charles Miller. É o caso de marinheiros que aportavam na costa brasileira e aproveitavam a folga para jogar uma pelada nas praias, ou de estudantes do interior de São Paulo que teriam aprendido o jogo num colégio de jesuí-tas ainda na década de 1880, conforme publicado no livro Visão do Jogo: Primórdios do Futebol no Brasil, de José Moraes dos Santos Neto.

“A brincadeira de chutar uma bola existe há mais de mil anos”, argumentou John Mills, biógrafo daquele que é oficialmente o pioneiro do futebol no Brasil. “Charles Miller foi o primeiro a trazer um livro de regras e organizar uma partida de onze contra onze”, defendeu. O sociólogo do esporte Ronaldo Helal, outro que desconhece a trajetória de Donohoe, concorda que foi Miller quem institucionalizou a prática do futebol no país. Mas ele considera que, mais importante que apontar a data inaugural ou o pioneiro, é pensar em como nos relacionamos com esses mitos fundadores. “A dramatização do fato é, na minha visão, mais importante que o fato em si”, argumentou.

A julgar pela paixão dos banguenses por seu time, vai ser difícil convencê-los a aceitar a versão oficial. No galpão de Clécio Régis, os detalhes que lembram seu time povoam todo o ambiente. Nas paredes, estão emoldurados os ingressos das partidas do Bangu pela segunda divisão do Campeonato Carioca, depois que o clube foi rebaixado no ano do seu centenário, em 2004 (voltou à primeirona em 2008). Até a estátua de Nossa Senhora Aparecida está protegida pelo escudo alvirrubro. “Time de futebol é maior que religião. Minha maior emoção é ver o Bangu entrar em campo. Porque está 0 x 0. Depois, não sei”, disse o cenógrafo, um homem inquieto e empolgado de 53 anos.

Enquanto aguarda o momento de ser exibida ao público, a estátua de seu Danau continua de dedo em riste, para lembrar o pioneirismo que os banguenses lhe atribuem. Seu local definitivo já foi escolhido: será na praça em frente ao estádio do Bangu, a ser rebatizada com o nome de Thomas Donohoe. A inauguração depende de dois detalhes menores: a reforma da praça e a da arena.


Repórter: Ronaldo Pelli
Fonte: Revista Piauí, publicada em dezembro de 2012.

     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.133
Vitórias 1.728
Empates 979
Derrotas 1.426
Gols Pró 7.305
Gols Contra 6.332
Saldo de Gols 973
Artilheiros
 
Ladislau 231
Moacir Bueno 203
Nívio 152
Menezes 137
Zizinho 125
Luís Carlos 119
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 83