Bangu Atlético Clube: sua história e suas glórias

Maracanã, 3 de dezembro de 1966

Arte Bangu 3 x 0 Vasco
O Jornal do Brasil valoriza a vitória banguense, enaltecendo a beleza dos gols do líder do Campeonato.
O Jornal do Brasil valoriza a vitória banguense, enaltecendo a beleza dos gols do líder do Campeonato.

Foi no início de dezembro de 1966 que o Bangu assumiu isoladamente a liderança do Campeonato Carioca, que acabaria por ganhar. No sábado, o time venceu o Vasco por 3 x 0, e no domingo, viu o Flamengo perder um pontinho fundamental para o Botafogo, no empate em 1 x 1.

O clássico contra o Vasco levou apenas 11.515 pessoas ao Maracanã, às 18 horas. Com os vascaínos fazendo péssima campanha no Campeonato, as arquibancadas ficaram com a torcida alvirrubra.

Antes do jogo, Ubirajara recebeu uma estatueta de bronze das mãos do ex-goleiro Barbosa. Era uma homenagem aos 15 anos de dedicação exclusiva ao Bangu. O presidente Euzébio de Andrade, à beira do gramado, não gostou da festa: “O Bangu está com a liderança em jogo e um jogador emocionado é um perigo...” – resmungou.

Mas o time de Moça Bonita não perderia aquele jogo nem se quisesse. Logo aos 4 minutos, Aladim fez 1 x 0, numa jogada belíssima.

“A jogada nasceu dos pés de Paulo Borges, numa arrancada que começou no meio de campo. O ponteiro bateu Silas, Oldair e Ananias e deu a bola para Ladeira, na entrada da pequena área, este serviu a Cabralzinho, que fingiu chutar em gol e deu para o extrema- esquerda mandar às redes de Édson” – descreveu o jornal Última Hora.

Até o final do 1º tempo, o domínio do Bangu foi amplo, com Cabralzinho perdendo boas chances e consagrando o goleiro Édson Borracha, do Vasco.

Ressalte-se que Ubirajara também não ficou atrás, salvando o empate com a ponta dos dedos, em um lance em que Célio tentou encobri-lo.

No 2º tempo, o time de Alfredo González decidiu o jogo. Aos 18 minutos, a bola foi rolada de pé em pé pelo ataque banguense até que sobrou para Cabralzinho, na altura da marca do pênalti, bater de primeira e ampliar o placar: 2 x 0.

O terceiro gol não demorou a sair. Jaime chutou de fora da área, um tiro fortíssimo que foi parar no ângulo esquerdo do goleiro Édson: 3 x 0.

Com a vitória concretizada, o Bangu ainda perdeu um jogador importante. O lateral-esquerdo Ari Clemente deu um pontapé em Paulo Mata, aos 29 minutos, e foi expulso de campo.

Daí em diante, o Bangu recuou o time. Aladim saiu do ataque e foi ajudar a defesa. O Vasco foi à frente, mas perdeu gols incríveis. Paulo Mata, por exemplo, cabeceou, sem goleiro, por sobre a meta. Não era dia sequer de marcar um gol de honra...

Fato curioso. Foi naquele dia que passaram a existir “maqueiros” no Maracanã. Antes, jogadores contundidos eram atendidos pelo médico e massagista dentro do gramado, atrasando o andamento do jogo. Os padioleiros, naquele dia, tiveram pouco trabalho, retirando apenas o banguense Ladeira, que estreou o serviço no futebol carioca.

Ubirajara, o homenageado da tarde, se esforça para evitar um gol do Vasco.
Ubirajara, o homenageado da tarde, se esforça para evitar um gol do Vasco.
Ficha técnica

Campeonato Carioca 1966

Classificação