Fundado em 17 de abril de 1904
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Maracanã 18 de setembro de 1966

O horário era o mais ingrato possível. A Federação marcou para às 14 horas o jogo entre Bangu e São Cristóvão, no Maracanã, pela 2ª rodada do Campeonato de 1966. Isso porque, às 16 horas, na partida principal, o Flamengo pegaria o América. Com isso, toda a programação do alvirrubro foi alterada.

O almoço na Vila Hípica, concentração dos jogadores, foi servido às 10h30. E a “camioneta” do clube levou os craques para o Maracanã às 12h30.

Com sol forte, após um minuto de silêncio pela morte do cronista esportivo Mário Filho – o dono do Jornal dos Sports -, começava o jogo, ainda com as arquibancadas do “maior do mundo” bem vazias.

A disparidade técnica entre os times era enorme, assim era questão de minutos para que o Bangu conseguisse abrir o placar. Aos 27 minutos, Cabralzinho chutou, o goleiro Manga espalmou para o lado e Paulo Borges, acossado pelo zagueiro Tião, chegou antes para empurrar para o fundo das redes. Pronto: a fábrica de gols começava a funcionar.

Aos 42 minutos, em falta frontal à área, Cabralzinho cobrou com categoria, encobrindo o goleiro Manga, que só teve como assistir a esta pintura: 2 a 0.

Alfredo González, nos vestiários, já sabia que a partida estava liquidada. Mesmo assim, determinou que o Bangu continuasse no ataque. Se na estreia, o time tinha feito 5 a 0 no Madureira, poderia repetir a dose.

O ponta Zé Carlos, aos 10 minutos, resolveu fazer tudo sozinho, roubou a bola do lateral Lauro, venceu a zaga do São Cristóvão na corrida e chutou rasteiro, vencendo o goleiro Manga: 3 a 0.

O público começava a chegar ao Maracanã e os flamenguistas presentes puderam aplaudir o quarto gol do Bangu, aos 27 minutos. Fidélis centrou, a zaga falhou e Jair chutou à meia altura para fazer 4 a 0.

Aos 35 minutos, para completar, o zagueiro Élton colocou a mão na bola dentro da área. Pênalti que foi dado de presente para o jovem Ênio cobrar e dar números finais ao massacre.

A diretoria, empolgada com a goleada, fixou em 60 mil cruzeiros o “bicho” para cada um dos onze titulares.

No jogo de fundo, outra boa notícia, o América conseguiu arrancar um ponto do Flamengo num empate em 2 a 2.

Campeonato Carioca 1966
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.193
Vitórias 1.741
Empates 1.005
Derrotas 1.447
Gols Pró 7.385
Gols Contra 6.414
Saldo de Gols 971
Artilheiros
 
Ladislau 230
Moacir Bueno 206
Nívio 154
Menezes 138
Zizinho 127
Luís Carlos 126
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 86