Bangu Atlético Clube: sua história e suas glórias

Maracanã, 20 de outubro de 1966

Arte Botafogo 0 x 0 Bangu
Herói da noite. Ubirajara defendeu cobrança de pênalti de Gérson e garantiu o empate do Bangu.
Herói da noite. Ubirajara defendeu cobrança de pênalti de Gérson e garantiu o empate do Bangu.

Quem olhar nos livros de história irá perceber que o dia 20 de outubro de 1966 foi um dos mais marcantes da história do país. As tropas militares do Marechal Castelo Branco sitiaram o Congresso Nacional, cortaram a luz e os telefones, e expulsaram os deputados e senadores. Era o Ato Complementar nº 23 que dava recesso ao parlamento brasileiro.

Para a ditadura, o Congresso era um foco de agitação contra o governo militar e precisava ser fechado a qualquer custo. Numa época de restrições, a decisão do presidente mostrava claramente que os anos de chumbo estavam só começando...

À noite, porém, o torcedor carioca que estava a quilômetros da confusão que se instalou em Brasília, pôde se esquecer da repressão da ditadura, do rigor da medida presidencial e foi curtir o clássico entre Bangu e Botafogo, pelo Campeonato Carioca.

Se o clima no país era de desconfiança total, no Maracanã reinou a paz, embora o duelo tenha gerado uma dúvida: como, em um jogo cheio de oportunidades, com duas equipes tão fortes, o gol não tenha saído?

O empate em 0 a 0 foi um bom negócio para o Bangu, que continuava líder do Campeonato de 1966, empatado ao lado do Fluminense.

O 1º tempo foi todo do Botafogo. Aos 15 minutos, Leônidas deu um passe em profundidade para Zélio que encobriu Ubirajara. Gol alvinegro. Quem salvou o Bangu foi o árbitro Aírton Vieira de Morais, que marcou impedimento, já que o bandeirinha tinha confirmado o tento.

Aos 26 minutos, Parada, agora no Botafogo, sofreu pênalti de Mário Tito. Desta vez, o árbitro não teve pena do Bangu, e assinalou a infração. O craque Gérson foi para a cobrança. Bateu rasteiro. Ubirajara pulou no canto direito e fez a defesa salvadora.

No 2º tempo, Gérson continuou sem sorte. Acertou o travessão de Ubirajara, logo aos 7 minutos. E aos 17, chutou à esquerda da meta, com muito perigo.

Enfim, após passar sufoco o jogo inteiro, o Bangu saiu da defesa adiantando Jaime e Fidélis. Aos 31 minutos, Cabralzinho percebeu que o goleiro Cao estava adiantado e chutou de longe, com curva... a bola bateu no travessão e saiu.

Aos 40 minutos, Paulo Borges recebeu um ótimo passe de Ênio e tentou encobrir Cao. O goleiro alvinegro deu um tapa para frente e a bola caiu nos pés de Cabralzinho, que chutou firme. Incrível! O arqueiro saltou e espalmou por cima da meta, evitando um gol certo.

Um minuto depois, Paulo Borges penetrou pela meia-direita e chutou violentamente, a bola voltou a se chocar com o travessão. Era melhor desistir... naquela noite o gol não ia mesmo sair...

Ficha técnica

Campeonato Carioca 1966

Classificação