Bangu Atlético Clube: sua história e suas glórias
Escudo Bangu 1 x 1 Escudo Pinheiros-PR
BANGU   Pinheiros-PR
Competição Taça de Ouro - Grupo D - Returno
Local Estádio Proletário Guilherme da Silveira Filho
Data e hora Quarta-feira, 03/04/1985 - 21h
Renda Cr$ 6.360.000,00
Público 1.272 pagantes
Árbitro Manoel Amaro de Lima (PE)
Auxiliares Carlos Alberto Valente e José Nascimento Silva (ES)
Escudo Bangu Gilmar; Márcio, Jair, Oliveira e Baby; Lulinha, Pingo (Pedrinho Gaúcho) e Mário; Marinho, Fernando Macaé (Roberto Biônico) e Ado
Técnico: Moisés
Escudo Pinheiros-PR Toinho; Soter, Maurício, Nenê e Dionísio; Norberto, Renato Sá e Marinho; Camargo (Capitão), Mauro (Márcio) e Marquinhos
cartão amarelo Marinho, Maurício e Renato Sá (Pinheiros)
cartao vermelho Soter (Pinheiros)
Gols Bangu 0 x 1: Marquinhos, aos 34min do 1º tempo
Bangu 1 x 1: Fernando macaé, aos 40min do 1º tempo
. . . . . . . . . . . . . . .
Bangu domina jogo mas não consegue vencer Pinheiros
Fonte: Jornal O Dia

Jogando em Moça Bonita contra o Pinheiros, campeão do Paraná, o Bangu perdeu um ponto precioso empatando em 1 a 1, num jogo em que teve a superioridade técnica, mas não soube traduzir tal vantagem no marcador. O forte calor em Moça Bonita influiu muito no time visitante, assim como a expulsão de Soterprejudicou o time paranaense. O pequeno público observou bons lances, mas poucas emoções de gol durante os 90m, pelo esquema defensivo dos visitantes.

O primeiro tempoterminou 1 a 1, mas o Bangu poderia ter conseguido a vitória parcial não fosse as oportunidades de gols disperdiçadas. Só o apoiador Pingo perdeu duas excelentes chances. Embora melhor, o Bangu acabou sofrendo um gol de contra-ataque, numa bobeada da defesa. Aos 34 minutos, Marquinhos cabeceou livre para marcar.

O Bangu foi todo à frente tentar tirar a diferença. E conseguiu empatar aos 40 minutos, depois de uma bonita jogada de Lulinha, que se livrou de dois adversários e deu limpa para Fernando Macaé chutar com precisão.

O Bangu voltou com tudo na etapa complementar. Só a vitória interessava, logo o jeito era fazer pressão e isso foi feito. As chances surgiram, mas Mário e Ado perderam as oportunidades. Para dar mais força ofensiva ao time, Moisés retirou Macaé e colocou Roberto Biônico no comando aos 19m, no momento em que era expulso de campo Soter, por agressão ao adversário. Ele já tinha levado cartão amarelo.