Fundado em 17 de abril de 1904
Clube
História
Estádios
Símbolos
Presidentes
Futebol
Jogos
Títulos
Atletas
Técnicos
Competições
Informação
Livros
Crônicas
Reportagens
Por onde anda?
Estatísticas
Gerais
Confrontos
Campanhas
Ranking CBF
Competições
Multimídia
Fotos
Áudios
Vídeos

» 1ª Página » Informação » Notícias » Jogos
Maracanã 17 de julho de 1985

Marinho, o destaque do jogo, supera Donato e, de cabeça, faz o primeiro gol do Bangu.

Depois do inesperado empate contra o Mixto, em Moça Bonita, o Bangu teve pouco tempo para se reabilitar. Três dias depois, já estava em campo novamente para enfrentar o Vasco, no Maracanã.

Pouco mais de 10 mil pessoas compareceram ao “maior do mundo” naquela noite de quarta-feira. A torcida vascaína, ressabiada, via o time jogando mal. O Bangu, por sua vez, precisava da vitória para chegar à última rodada dependendo apenas de um empate contra o Internacional, em Porto Alegre.

O Bangu poderia ter goleado. Marinho foi o destaque do jogo, em uma noite de muita inspiração, ele ganhou todas as jogadas, desmoronando a defesa do Vasco.

Na base da velocidade e com toques de prima, o Bangu chegou ao gol. Ado tabelou na esquerda, recebeu na frente, driblou Edevaldo com enorme facilidade e cruzou para uma cabeçada perfeita de Marinho, que se antecipou a Donato. O placar do Maracanã mudava: 1 a 0, aos 12 minutos do 1º tempo.

Era o que faltava para o clima mudar. Aos 17 minutos, Marinho construiu toda a jogada do segundo gol. Ele recebeu na intermediária, atraiu a marcação, teve calma para esperar a entrada de Mário e deu o passe perfeito. Mário só teve o trabalho de tocar por cima do goleiro Roberto Costa, inseguro quanto ao momento de sair do gol. Bangu 2 a 0.

O técnico vascaíno se desesperou mais que os próprios jogadores e tirou de uma só vez Vitor e Romário, colocando Geovani e Gilberto, aos 30 minutos. Mas o 1º tempo já estava perdido e o jogo também.

Na etapa final, Roberto Dinamite aproveitou um rebote de uma bola no travessão e, de cabeça, tocou para o gol. Parecia que a partida ficaria dura, afinal eram decorridos 35 minutos.

Que nada. Aos 37, Marinho resolveu para o Bangu. Mário bateu um escanteio e Marinho surgiu entre os atônitos zagueiros para cabecear fora do alcance do estático Roberto Costa. O Vasco já era.

No mesmo horário, o Internacional vencia o Mixto por 3 a 1 e era a única equipe que poderia impedir o Banguzão 85 de passar para as semifinais do Campeonato Brasileiro. 

Ainda no vestiário do Maracanã, o Patrono Castor de Andrade desembolsou 700 mil cruzeiros de “bicho” a cada jogador.

Mário acabou sendo o nome do jogo para a exigente Revista Placar, obtendo nota 8.
O momento era ótimo. O time seguia invicto há 29 partidas e o Vasco tinha virado “freguês” do técnico Moisés.


Gol de Mário, camisa 8 do Bangu, abrindo 2 a 0 em cima do atônito time do Vasco, naquela noite no Maracanã.
Campeonato Brasileiro 1985 (Grupo H)
     
Livros
 
Estatísticas
 
Jogos 4.193
Vitórias 1.741
Empates 1.005
Derrotas 1.447
Gols Pró 7.385
Gols Contra 6.414
Saldo de Gols 971
Artilheiros
 
Ladislau 230
Moacir Bueno 206
Nívio 154
Menezes 138
Zizinho 127
Luís Carlos 126
Paulo Borges 109
Décio Esteves 98
Arturzinho 93
Marinho 86